EFEMadri

O Congresso da Espanha autorizou nesta quinta-feira a decretação de estado de emergência até 9 de maio de 2021, medida que visa conter a propagação do novo coronavírus, que provoca a Covid-19.

O governo presidido por Pedro Sánchez obteve apoio dos habituais aliados entre os parlamentares e também entre a ala liberal do Ciudadanos. O conservador Partido Popular se absteve e o voto contrário partiu do Vox, de extrema-direita.

O estado de emergência permite que os governos regionais ordenem a restrição de mobilidade da população, com o fechamento das fronteiras internas, para tentar reduzir o número de casos de infecção pelo novo coronavírus.

O Congresso também aprovou hoje uma determinação de que Sánchez seja obrigado a apresentar, a cada dois meses, informações sobre a evolução da pandemia durante o estado de emergência, algo que não estava previsto na proposta inicial do governo, mas que entrou no texto para a obtenção de apoio político.

Além disso, quatro meses depois da entrada em vigor do estado de emergência, em 9 de março, os presidentes das regiões e o governo do país poderão decretar o fim das medidas, se houver apoio do conselho que reúne o Ministério da Saúde e os órgãos locais da área.

De acordo com boletim apresentado nesta quarta-feira, o total de casos de infecção pelo novo coronavírus chegou a 1.136.503, sendo que 19.765 foram de notificações feitas até a divulgação dos dados. O número de mortes é de 35.466.