EFEBruxelas

As eleições para o Parlamento Europeu, que serão realizadas de hoje (23) a domingo (26), terão os mais variados perfis de candidatos, entre eles a atriz francesa Brigitte Bardot, a lenda do tênis romeno Ilie Nastase, o ex-presidente catalão Carles Puigdemont, um astronauta e um chefe de cozinha.

CARLES PUIGDEMONT.

O ex-presidente da Catalunha lidera o "Lliures per a Europa" ("Livres pela Europa", em catalão) nas eleições, após a Justiça da Espanha ter confirmado que ele poderia concorrer e rejeitado os recursos apresentados por PP e Ciudadanos contra sua candidatura.

Puigdemont vive desde 2017 na Bélgica, para onde fugiu depois de ter sido acusado na Espanha de rebelião e desvio de dinheiro público.

O político independentista pediu apoio nas urnas para que "a voz do 1-O (em alusão ao referendo de independência da Catalunha) seja ouvida" na Europa. Na opinião de Puigdemont, o diálogo entre Catalunha e Espanha "só será possível" se seu partido tiver "voz e voto" no Parlamento Europeu.

BRIGITTE BARDOT.

A famosa atriz francesa Brigitte Bardot, protagonista de "E Deus Criou a Mulher" (1956) e ex-símbolo sexual, é candidata pelo Partido Animalista da França.

Aos 84 anos, Bardot é ativista pelos direitos dos animais, causa que considera sua "razão de viver", motivo pelo qual optou por esse partido e não pelo movimento dos "coletes amarelos", aos quais chegou a manifestar apoio publicamente.

ILIE NASTASE.

O ex-tenista, de 72 anos, concorre pelo partido de centro-esquerda União Nacional pelo Progresso da Romênia (UNPR).

Ex-número 1 do mundo e também conhecido pelas polêmicas fora das quadras, Nastase foi multado e suspenso até 2020 por "comportamento abusivo" e comentários "racistas" após insultar e ameaçar jogadores, organizadores e jornalistas quando era capitão da seleção romena na Fed Cup em 2017.

No ano passado, foi detido por dirigir embriagado, se negar a soprar o bafômetro e insultar os agentes de trânsito. De acordo com as últimas pesquisas de intenção de voto, o romeno não deve ser eleito.

IVAN BELLA.

Bella, de 54 anos, é o único cidadão eslovaco a ter viajado ao espaço. Piloto de guerra, coronel das Forças Armadas e astronauta, participou em 1999 de uma das últimas missões feitas na estação espacial soviética Mir, durante a qual desenvolveu pesquisas médicas.

É candidato pelo partido ultradireitista Sme Rodina (Nós Somos Família, em eslovaco), criado em 2015 e que concorre pela primeira vez ao Parlamento Europeu.

As últimas pesquisas apontam que o partido deve conseguir um assento. Sendo assim, é difícil que Bella entre, já que é o número quatro da lista.

CAIO GIULIO CESARE MUSSOLINI.

O bisneto do ditador italiano Benito Mussolini, de 51 anos, concorre às eleições pelo partido de extrema-direita Irmãos de Itália.

Nascido na Argentina, ele viveu vários anos na Venezuela e depois se mudou para a Itália, onde trabalhou na Marinha e em empresas privadas antes de entrar na política.

Ele se define como "patriota" e diz não se envergonhar do sobrenome, mas nega ser fascista: "Precisamos pensar que o fascismo morreu com (Benito) Mussolini", disse em entrevista ao jornal "Corriere della Sera", na qual destacou priorizará a agricultura e a busca de "alternativas para a Itália".

As pesquisas apontam que Mussolini ficaria sem cadeira no Parlamento Europeu, onde já se sentou outra descendente do ditador: a neta Alessandra, que neste ano volta a concorrer pelo partido Força Itália.

SILVIO BERLUSCONI.

Líder do Força Itália, o polêmico ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, de 82 anos, confirmou que participará da disputa, apesar de ter passado uma semana no hospital no início deste mês.

Berlusconi retornou à política neste ano, após ser reabilitado em maio de 2018. Ele havia sido proibido pela Justiça italiana de concorrer a qualquer cargo público até 2019 devido a um caso de fraude fiscal.

O magnata, conhecido pelos escândalos e ainda com contas pendentes com a Justiça, disse que representa "uma ideia liberal da política que precisa ser defendida", sobretudo diante do crescimento de países como a China.

SARAH WIENER.

Após ficarem fora do Parlamento nas eleições legislativas de 2017, os Verdes, da Áustria, escolheram como número dois do partido para as eleições europeias um rosto conhecido: a chef de cozinha Sarah Wiener, que faz sucesso na TV.

Aos 56 anos, a alemã tem uma empresa de catering, três restaurantes, escreveu mais de dez livros e já estrelou vários programas de televisão sobre culinária.

Com uma campanha focada em promover a agricultura sustentável e o bem-estar animal, Wiener tem chances de entrar no Parlamento Europeu segundo as últimas pesquisas, que projetam uma cadeira para o seu partido.

RACHEL JOHNSON.

Até o momento, o Johnson mais conhecido é Boris, ex-ministro das Relações Exteriores do Reino Unido e ferrenho defensor do Brexit. Mas isso pode mudar com a candidatura de sua irmã.

Jornalista e apresentadora, Rachel concorre pelo partido Change UK, criado para defender a permanência do Reino Unido na União Europeia e exigir a realização de outra consulta popular sobre o Brexit.

SARUNAS MARCIULIONIS.

O ex-jogador de basquete lituano Sarunas Marciulionis, que passou pela NBA e medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de 1988, pela União Soviética, estreia na política, aos 54 anos, como número dois da União dos Camponeses e Verdes Lituanos (LVZS).

Laura Pérez-Cejuela.