EFEDavos (Suíça)

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse nesta quarta-feira que é preciso "matar" as exportações russas completamente para evitar que o faturamento obtido com elas ajude a alimentar a máquina de guerra que afeta seu país.

"É preciso matar as exportações russas, parar de comprar tudo, exceto alguns produtos críticos que o Ocidente precisa", disse Kuleba em um painel no Fórum Econômico de Davos.

Kuleba também afirmou que as negociações com a Rússia estavam "em nenhum lugar" e rejeitou categoricamente que a Ucrânia pudesse fazer qualquer concessão territorial como um compromisso para um acordo de paz.

"Para quem acredita que a Ucrânia pode fazer concessões para apaziguar Putin, minha resposta é muito simples: esta estratégia foi utilizada pelas maiores potências mundiais de 2014 até 24 de fevereiro de 2022, ceda aqui, ceda ali, isso ajudará a evitar a guerra. Falhou", ressaltou.

O ministro ucraniano comentou que a situação do fornecimento de armas à Ucrânia "está melhor do que há um mês", mas que neste ponto da guerra é "urgente" a necessidade de sistemas de lançamento múltiplo de foguetes.

"Estamos esperando desesperadamente por eles", disse.

Kuleba fez uma crítica velada, sem citar nomes, de alguns países que, segundo ele, estão "fazendo uma bagunça" na entregas de armas. Ao ser perguntado se a Alemanha seria um deles, evitou responder: "deixe-me ser diplomático". EFE