EFEMadri

A incidência da covid-19 na Espanha continuou a cair desde a sexta-feira passada, e agora indica 252,19 casos a cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, segundo o balanço oficial divulgado nesta segunda-feira, que também informa que no fim de semana foram confirmados 20.849 casos e 535 mortes.

De acordo com os números do Ministério da Saúde espanhol, o país já contabilizou 67.636 óbitos por complicações da doença entre os 3.153.971 contágios registrados desde o início da pandemia.

A última atualização mostra que a taxa de ocupação das unidades de terapia intensiva (UTI) é de 33,02% e que o total de pacientes hospitalizados com covid-19 desde a sexta-feira na Espanha é de 15.208.

"São dados que obviamente mostram uma tendência descendente clara nas últimas semanas em nível nacional, mas continuamos estando em incidências altas que não nos permitem relaxar nas medidas de controle", alertou em entrevista coletiva o epidemiologista Fernando Simón, porta-voz da Saúde para a pandemia.

Simón lembrou que os hospitais, principalmente as UTIs, estão muito pressionados e que uma nova onda do vírus seria "um grave revés" para o sistema.

QUATRO NOVAS VARIANTES EM ESTUDO.

O Ministério da Saúde espanhol continua a considerar as variantes britânica, sul-africana e brasileira as mais preocupantes do coronavírus, mas alertou para outras quatro que "estão despertando um interesse crescente": duas outras do Reino Unido, a da Califórnia e a do Rio de Janeiro.

De acordo com um relatório atualizado sobre a situação epidemiológica no país, 11 casos da variante P.2 (Rio de Janeiro) foram detectados na Espanha, dois deles em viajantes diagnosticados em Madri e os outros nove nas Ilhas Canárias, para os quais "os dados epidemiológicos ainda não estão disponíveis".

Simón explicou que a mais comum é a britânico, B1.1.7, a primeiro conhecida na Espanha, da qual há 898 casos notificados oficialmente.