EFEMadri

A Espanha registrou nesta terça-feira mais 591 mortes por Covid-19, um recorde durante a terceira onda de propagação do novo coronavírus no país, que contabilizou, além disso, 36.435 positivos para o patógeno.

Ao todo, desde o início da pandemia, já foram notificados 56.799 óbitos e 2.629.817 casos de infecção no território espanhol.

De acordo com boletim divulgado pelo Ministério da Saúde do país, a incidência acumulada subiu, atingindo a marca de 893,91 casos para cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

O índice chega a ser superior a 1.000, em algumas regiões da própria Espanha, e supera os registrados por Reino Unido (827), França, (404,4), Itália (308,8) e Alemanha (258,1).

A pressão sobre o sistema de saúde também está em alta preocupante no país, com 24,1% dos leitos comuns de hospitais sendo ocupados por pacientes com Covid-19. Nas UTIs, a taxa sobe para 41,2%.

A situação mais grade é a de Valência, onde 61,70% das vagas das unidades de terapia intensiva estão destinadas à pessoas com a doença provocada pelo novo coronavírus. Em Madri, Castilla-La Mancha e La Rioja, já foi superada a marca de 50%.

Hoje, o ministro da Saúde, Salvador Illa, que anunciou a saída do cargo, para concorrer à presidência da Catalunha, revelou que estão sendo analisados documentos da União Europeia, em que se recomenda o isolamento de regiões que têm incidência acumulada superior a 500 casos por dia para cada 100 mil habitantes.