EFENova York (EUA)

O estado de Nova York, considerado o epicentro da crise do novo coronavírus nos Estados Unidos, registrou nesta quinta-feira mais 100 mortes provocadas em decorrência da infecção, o que faz o número total aumentar para 385.

Os números foram anunciados pelo governador, Andrew Cuomo, que ainda revelou terem sido registrados 37.258 casos até o momento. Em termos de comparação, o estado vizinho de Nova Jersey tem oito vezes menos cômputos de infectados, 4.402.

"Em quase todos os cenários realistas, vamos chegar a uma sobrecarga da capacidade do sistema de saúde", admitiu o chefe do governo regional.

Cuomo explicou que está trabalhando para distribuir a carga de pacientes que precisam de internação entre os hospitais, já que há um maior número de casos no sul do estado, enquanto há uma expansão da capacidade das unidades de saúde do norte.

Em Nova York, até o momento, 5.327 pessoas estão internadas, sendo 1.290 em unidades de terapia intensiva, com respirador. O governador crê que serão necessários 40 mil destes equipamentos, enquanto o estado conta com 12 mil.

Cuomo aproveitou para destacar o que classificou como "avalanche" de solidariedade, ao revelar que 52 mil médicos e outros profissionais de saúde se ofereceram como voluntários para atuar na crise. Além disso, 8,6 mil especialistas em saúde mental, de dentro e fora do estado se apresentaram, enquanto empresas estão doando material de proteção e outros itens.