EFEWashington

Os Estados Unidos enviaram um destroyer para prestar socorro a dois cargueiros, um deles um navio-tanque a serviço de uma operadora japonesa, que foram atacados nesta quinta-feira nas águas do golfo de Omã, informou o Pentágono.

"Estamos cientes das informações sobre um ataque contra cargueiros no golfo de Omã. A Marinha dos EUA recebeu dois pedidos de socorro às 6h12, hora local de Bahrein (0h12 Brasília), e às 7h (1h). O USS Bainbridge, um destroyer da classe Arleigh Burke com mísseis guiados, partiu em seu auxilio", explicou a Marinha em um breve comunicado.

Uma das embarcações é um navio-tanque de bandeira panamenha operado pela empresa japonesa Kokuka Sangyo que se dirigia à Tailândia e depois a Singapura. Trata de uma embarcação de 170 metros de comprimento e 19.000 toneladas.

Por enquanto não há detalhes sobre a outra embarcação, tanto da carga que levava como do seu destino, mas meios de comunicação locais indicam que se trata de um cargueiro norueguês.

Diretores da Kokuka disseram que a embarcação que estava a seu serviço, que carregava 25.000 toneladas de metanol, recebeu um primeiro impacto a bombordo e os tripulantes tentaram apagar um incêndio deflagrado na sala de máquinas.

Ao receber outro impacto, também a bombordo, o capitão deu a ordem de abandonar o navio.

Os 21 tripulantes são de nacionalidade filipina e ainda não se sabe se alguém se feriu, segundo a companhia japonesa. Todos foram resgatados por outra embarcação que estava em águas próximas.

Esse incidente acontece em um momento de crescente tensão entre Irã e Estados Unidos, que chegou a acusar Teerã de estar por trás de várias ações similares contra navios que navegavam as águas do estreito de Ormuz.

A Casa Branca, inclusive, usou estes ataques como uma das justificativas do aumento da presença militar americana na região e da venda de armamento à Arábia Saudita, uma transação que não conta com o apoio do Congresso dos EUA.

O Pentágono ainda não se pronunciou sobre os motivos do incidente, embora não descarte que tenha se tratado de um ataque.

"Por enquanto, os EUA não descartam que os navios tenham impactado com uma mina marinha ou que tenham sido atacados com um projétil subaquático. Estão tentando descobrir a causa", afirmou um funcionário do Departamento de Defesa em entrevista à emissora "CNN".