EFEWashington

Os Estados Unidos superaram nesta segunda-feira a marca de 500 mil mortes por Covid-19, um duro recorde, do qual nenhum outro país se aproxima, e atingido em um momento em que o governo do presidente Joe Biden acelera a campanha de vacinação.

Após às 17h08 (local no leste dos EUA, 19h08 em Brasília), a contagem independente da Universidade Johns Hopkins registrou 500.071 óbitos causados pela Covid e 28.174.133 milhões de casos de coronavírus.

Em memória às vítimas, Biden ordenou hoje que as bandeiras de todos os edifícios federais do país, incluindo a Casa Branca, e de órgãos oficiais no exterior, como as embaixadas, fossem hasteadas a meio mastro.

O chefe de governo emitiu uma proclamação presidencial com essa ordem e lembrou que aquelas mais de 500 mil vítimas do vírus SARS-CoV-2 em um único ano pela pandemia são mais do que se os americanos mortos na Primeira Guerra Mundial, na Segunda Guerra Mundial e na Guerra do Vietnã forem somados.

Além disso, a Catedral de Washington DC tocou seus sinos às 17h (local, 19h de Brasília) 500 vezes em homenagem aos mais de meio milhão de mortos.

O Brasil é o segundo país com mais mortes por Covid-19, com 247.143, seguido por México (180.107), Índia (156.385), Reino Unido com (120.987) e Itália (95.992).

Em termos de infecções, atrás dos EUA estão a Índia, com 11.005.850; o Brasil, com 10.195.160; o Reino Unido, com 4.138.225; a Rússia, com 4.130.447; a França, com 3.669.346; e a Espanha, com 3.153.971.