EFEWashington

O governo dos Estados Unidos condenou nesta sexta-feira o ataque contra duas mesquitas em Christchurch (Nova Zelândia), no qual morreram pelo menos 49 pessoas.

"Os EUA condenam com contundência o ataque em Christchurch. Nossos pensamentos e orações estão com as vítimas e suas famílias. Mostramos nossa solidariedade ao povo da Nova Zelândia e seu governo contra este impiedoso ato de ódio", disse Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca.

Além dos 49 mortos, o ataque, que aconteceu enquanto centenas de pessoas faziam a oração de sexta-feira, deixou 40 feridos, 20 deles em estado grave.

O suposto mentor da ação é um supremacista branco que foi identificado como Brenton Tarrant, um australiano de 28 anos, segundo as autoridades neozelandesas.

"Está claro que este só pode ser descrito como um ataque terrorista. Pelo que sabemos, parece ter sido bem planejado", disse a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, em um pronunciamento na capital, Wellington.

Nos ataques, que aconteceram em plena luz do dia, 41 pessoas morreram na mesquita de Al Noor e outras sete morreram na mesquita de Linwood, que fica 6 quilômetros ao leste da primeira, em Christchurch, a maior cidade na Ilha Sul do país e que conta com 375 mil habitantes.