EFESan Francisco

O governo dos Estados Unidos advertiu nesta sexta-feira que vai impor restrições à entrada de viajantes procedentes de oito países do sul da África a partir da próxima segunda-feira, em resposta ao surgimento de uma nova variante do coronavírus chamada ômicron.

Em comunicado, a Casa Branca anunciou que as restrições referem-se a África do Sul, Moçambique, Namíbia, Zimbábue, Botsuana, Lesoto, Malawi e Suazilândia.

O governo americano citou apenas "restrições de tráfego aéreo" e não elaborou, nesta fase, exatamente quais são as implicações.

O presidente dos EUA Joe Biden, tomou a decisão após sugestões de seu principal conselheiro para questões médicas, Anthony Fauci, e de funcionários do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Cidadãos americanos ou residentes permanentes nos EUA que estão nesses países terão que apresentar um teste de covid-19 negativo antes de embarcar para o país.

A Casa Branca disse que tomou a decisão como "um excesso de cautela" à luz de todas as incógnitas que ainda envolvem a nova variante.

O anúncio das restrições ocorreu no mesmo dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul como "de risco" e a batizou com a letra grega ômicron.

Especialistas da OMS disseram que a nova variante parece ser mais contagiosa que as anteriores, embora ainda não haja dados para determinar se ela é mais ou menos resistente às vacinas contra a covid-19.

Até agora, a variante ômicron foi detectada em África do Sul, Botsuana, Hong Kong e Bélgica.

Além dos EUA, Espanha, França, Itália, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Singapura, Áustria, Canadá e Israel já anunciaram restrições a viajantes do sul da África. EFE

arc/id