EFEWashington

Os Estados Unidos chegaram à marca de 203.608 pessoas infectadas pelo novo coronavírus, além de 4.476 mortes causadas pela doença transmitida por ele, a Covid-19, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

O número de pessoas infectadas dobrou em apenas cinco dias. Na última sexta-feira, os EUA, país com o maior número de casos, tinham chegado a 100 mil.

A Itália está em segundo lugar entre os países mais afetados pela pandemia, com 110.574 casos e 13.155 mortes, e a Espanha, com 102.136 infectados e 9.053 mortos, em terceiro. China, com 82.361 casos e 3.316 mortos, e Alemanha com 76.544 e 858, respectivamente, aparecem a seguir, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Dentro dos Estados Unidos, a cidade mais afetada é Nova York, com 1.139 mortos, seguida por King County, no estado de Washington (150), Wayne City, em Michigan (120) e Nova Orleans, na Louisiana (101).

A Casa Branca prevê que o coronavírus pode deixar entre 100 mil e 240 mil mortos, mesmo com as medidas de contenção que foram implementadas, e alertou que o número pode chegar a até 2,2 milhões se nada for feito para combater o vírus.

Até agora, 34 dos 50 estados do país, além de Porto Rico e o Distrito da Columbia (onde fica a capital, Washington), promulgaram decretos para forçar seus cidadãos a ficarem em casa, o que significa que aproximadamente 89% da população dos EUA (cerca de 291 milhões de pessoas) está em quarentena.

Na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, advertiu à nação que as próximas duas semanas serão "muito dolorosas" por causa da propagação da doença.

Nos últimos dias, Trump aceitou que não poderá retomar a atividade econômica no dia 12 de abril, domingo de Páscoa, como havia planejado, e será necessário esperar pelo menos até 30 de abril.