EFEGenebra

A Organização Mundial do Comércio (OMC) determinou nesta terça-feira que as tarifas impostas pelos Estados Unidos à China em 2018 e 2019, uma das principais frentes na guerra comercial entre as maiores economias do mundo, são excessivas e violam as regras internacionais.

As tarifas impostas pelo governo americano "não são consistentes com os princípios de nação mais favorecida da OMC e excedem as tarifas máximas acordadas pelos EUA" perante o órgão, destaca a decisão tomada por um painel de especialistas a pedido da China, que levou o caso a Genebra em abril de 2018.

Em junho daquele ano, o governo americano impôs tarifas de 25% a exportações chinesas avaliadas em US$ 50 bilhões. Em setembro, aplicou mais 10% (aumentados para 25% em maio de 2019) a mais produtos procedentes da China avaliados em US$ 200 bilhões.

As tarifas, que a China respondeu com medidas similares contra produtos americanos, foram impostas por Washington com o argumento de que o país asiático apresentava má conduta no âmbito de transferência tecnológica e propriedade intelectual.

Segundo a OMC, os EUA não souberam explicar o motivo pelo qual as tarifas podiam exceder os limites estabelecidos pela organização internacional.

O painel também afirmou que as negociações bilaterais entre Pequim e Washington não conseguiram chegar a uma "solução mutuamente satisfatória" para resolver o impasse, como os EUA defendiam para que o conflito não fosse levado à OMC.