EFEEstrasburgo (França)

O plenário do Parlamento Europeu confirmou nesta terça-feira a conservadora alemã Ursula von der Leyen como presidente da Comissão Europeia para os próximos cinco anos, com 383 votos a favor, nove a mais que os 374 necessários para alcançar a maioria absoluta.

Atual ministra da Defesa da Alemanha, Von der Leyen, de 60 anos, integrava o governo da chanceler Angela Merkel desde 2005, ocupando diferentes ministérios. Com a confirmação dada hoje pela Eurocâmara, a conservadora se torna assim a primeira mulher da história a presidir a Comissão Europeia, órgão fundado em janeiro de 1958.

Em um breve pronunciamento, Von der Leyen agradeceu aos eurodeputados pela confiança nela depositada e disse que quer uma Europa forte, unida, disposta a lutar pelo futuro.

"Enfrentaremos grandes desafios do nosso tempo de maneira unida. Nosso trabalho já começa agora", disse a nova presidente da Comissão Europeia.

A vantagem de apenas nove votos em relação à maioria absoluta surpreendeu. Cálculos feitos pelos principais grupos políticos da Eurocâmara antes da votação indicavam que Von der Leyen contava com os apoios dos 182 deputados do Partido Popular Europeu, dos mais de cem integrantes da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas e de praticamente todos os 108 membros da Renovar Europa.

Também respaldariam a candidatura de Von der Leyen outros grupos minoritários, como os 14 eurodeputados italianos do Movimento Cinco Estrelas, mas o resultado da votação secreta mostra que houve divergências.

Somados os apoios, Von der Leyen deveria ter recebido cerca de 400 votos, 20 a mais do que os obtidos na votação realizada nesta terça-feira.