EFELondres

Um ex-espião russo, identificado pelos veículos de imprensa como Sergei Skripal, está hospitalizado na Inglaterra em estado crítico após intoxicar-se com uma substância desconhecida, cujo origem a polícia britânica está tentando estabelecer nesta terça-feira.

Skripal, de 66 anos, e uma mulher de aproximadamente 30 anos foram encontrados no último domingo inconscientes, em um banco próximo a uma área de jogos infantis em Salisbury (centro da Inglaterra), informam os veículos de imprensa.

"O casal, que aparentemente se conhecia, não apresentavam ferimentos visíveis e foram levados ao Hospital Salisbury. Eles estão sendo atendidos por terem sido expostos a uma substância desconhecida. Os dois estão internados em estado crítico na terapia intensiva", disse aos jornalistas, o comissário da polícia de Salisbury, Craig Holden.

"Isso não é considerado um incidente de terrorismo e pedimos às pessoas que não façam conjecturas", completou.

A polícia afirmou que ainda deve estabelecer se estas duas pessoas foram vítimas de um crime, mas enfatizou que não há riscos para a população, em referência ao fato de que a substância não representa um perigo para as pessoas.

O Hospital Salisbury considera esse caso como um incidente importante, embora tenha solicitado aos pacientes que mantenham seus compromissos médicos, a menos que recebam uma notificação contrária.

As forças da ordem fecharam ontem um restaurante italiano em Salisbury, como medida de "precaução", embora não indicaram se o casal poderia ter comido no estabelecimento.

Um porta-voz da Saúde Pública da Inglaterra (PHE, sigla em inglês) esclareceu hoje que todas as pessoas que podem ter sido expostas a esta substância já foram descontaminadas ao ser uma "prática padrão" em situações como esta.

Ele acrescentou que, no caso, eles estão ajudando cientistas do Centro de Radiação, Químicos e Perigos Ambientais da PHE.

Skripal, segundo a mídia, foi um antigo coronel da espionagem militar da Rússia, condenado em 2006 a 13 anos de prisão por alta traição após ser processado por ter colaborado durante anos com os serviços de espionagem britânicos MI6.

Em 2010, ele foi colocado em liberdade em troca de espiões russos expulsos dos Estados Unidos.

Este troca aconteceu em julho de 2010 em uma pista do aeroporto de Viena, em um dos casos mais notórios de troca de agentes secretos desde a época da Guerra Fria.

Skripal foi levado ao Reino Unido para se instalar em Salisbury, onde este antigo agente duplo aparentemente levava uma vida tranquila.

Este caso lembra ao do ex-espião russo Alexander Litvinenko, que morreu em Londres em novembro de 2006 após ser envenenado com a substância radiativa Polônio-210 contida em uma xícara de chá que ele tomou no hotel Millenium, na capital britânica, enquanto estava reunido com dois cidadãos russos, Andrey Lugovoy e Dmitry Kovtun.