EFEParis

A justiça da França revelou nesta terça-feira a aberta de investigação contra três membros do governo encarregados na gestão da pandemia da Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, entre eles, o ex-primeiro-ministro Édouard Philippe, que deixou a função na última sexta-feira.

Além do antigo premiê, que foi sucedido por Jean Castex, também estão na mira Agnès Buzyn, que foi ministra da Saúde até fevereiro deste ano, e Olivier Véran, que assumiu a titularidade da pasta cerca de cinco meses atrás, segundo comunicado divulgado pelo Tribunal de Justiça da República.

De acordo com a nota, o Ministério Público abriu uma investigação pelo delito de abstenção na luta contra um sinistro, no caso, a propagação do novo coronavírus. As penas, em caso de condenação, podem chegar a dois anos de prisão e multa de 30 mil euros (R$ 180 mil).

Na semana passada, o Tribunal de Justiça da República decidiu aceitar nove das 53 denúncias analisadas, enquanto descartou outras 34, por falta dos navegadores de seguir com o procedimento ou por problemas no preenchimento. Além disso, dez foram arquivadas.

Os autores dos pedidos de investigação feitos desde meados de março foram médicos, associações e cidadãos.