EFEIslamabad

O ex-primeiro-ministro do Paquistão, Shahid Khaqan Abbasi, foi detido nesta quinta-feira por suposta corrupção em relação a um contrato de gás natural que fechou em 2013 quando era ministro do Petróleo, no último caso de detenção de líderes opositores no país asiático.

"Foi detido por um caso de gás liquefeito", disse à Agência Efe um porta-voz do Birô de Responsabilidade Nacional (NAB, órgão anticorrupção), que preferiu manter o anonimato.

Abbasi, político da Liga Muçulmana do Paquistão (PML-N) que ocupou o cargo de primeiro-ministro durante nove meses após a renúncia de Nawaz Sharif em 2017, foi detido em Islamabad quando se encaminhava para uma entrevista coletiva.

Maryam Sharif, filha de Nawaz e líder do PML-N, compartilhou no Twitter um vídeo do momento da detenção que mostra Abbasi em um carro perguntando aos soldados do NAB se tinham uma ordem de detenção. Os agentes responderam que sim.

Em outro tuíte, Maryam mostrou uma cópia da ordem de detenção que afirmava que Abbasi "é acusado do crime de corrupção e de práticas corruptas".

"Condenamos a detenção de Shahid Khaqan Abbasi. A instituição do NAB se transformou em uma ferramenta de Imran Khan. O Nab é usado com fins políticos", escreveu no Twitter o presidente do PML-N, Shahbaz Sharif.