EFEJerusalém

O Exército de Israel passará a ter uma Força Operacional Corona, um grupo que buscará tentar cortar a cadeia de infecções do novo coronavírus e reduzir o impacto da pandemia da Covid-19 no país, em coordenação com outras instituições nacionais.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira, dias depois de uma reunião em que o novo coordenador nacional para a pandemia, Ronni Gamzu, anunciou que pretendia envolver os militares no combate ao patógeno e o impacto em todo o território israelense.

A nova força começará a atuar no próximo dia 13 e será liderada por unidades do Comando Interior, atuando junto com o Ministério da Defesa e da Saúde, além de vários órgãos de segurança e autoridades locais, segundo indicou comunicado.

"Operará de acordo com o desenvolvimento das necessidades, de forma efetiva e dinâmica, para reduzir a extensão do coronavírus e garantir a segurança dos cidadãos israelenses", aponta o texto.

A unidade será comandada por um general de brigada, será alocada em diversos pontos de Israel e contará com um centro de coleta de exames, um de quarentena, um centro de controle, hotéis para a recuperação de doentes, um complexo de avaliação, um centro de informação e um de pesquisas epidemiológicas.

"Um dos objetivos será diminuir, consideravelmente, o tempo de espera dos testes, os procedimentos de laboratório", diz o comunicado.

Além disso, a ideia é ajudar a realizar o período de isolamento de pessoas infectadas e das que estiveram em contato com elas, para reduzir a propagação do novo coronavírus, de acordo com as informações divulgadas pelo Exército.