EFECairo

O governador de Beirute, Maruan Abboud, afirmou nesta quarta-feira que mais de 100 pessoas ainda estão desaparecidas e outras 200 mil ficaram desabrigadas após a explosão de ontem que causou mais de 100 mortes e deixou 4 mil feridos na capital do Líbano.

Em declarações aos meios de comunicação local, Abboud disse que existem pelo menos 100 pessoas desaparecidas e que os danos em Beirute são enormes, em torno de US$ 3 bilhões (cerca de R$ 15,9 bilhões) ou US$ 5 bilhões (cerca de R$ 26,5 bilhões).

"Cerca de 200 ou 250 mil pessoas ficaram desabrigadas e estamos trabalhando para fornecer comida, água e moradia", afirmou.

O número de mortos pela explosão no porto de Beirute que atingiu a capital libanesa ontem subiu para 100 e o número de feridos já é superior a 4 mil, conforme relatado hoje pelo governo e pela Cruz Vermelha libanesa.

A deflagração provocou uma enorme onda de choque que afetou milhares de casas e edifícios, destruindo vidro e paredes, levando grande parte da população daquela área da cidade a procurar abrigo em outro lugar.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, revelou em uma reunião com o presidente da República, Michel Aoun, que um carregamento desprotegido de nitrato de amônio de 2.750 toneladas foi a causa da tragédia, embora os motivos que levaram à explosão do fertilizante sejam desconhecidas.

Hoje é o primeiro dia de luto nacional decretado no país, em estado de emergência por duas semanas.

O Conselho Supremo de Defesa libanês declarou ontem Beirute como uma "zona catastrófica". EFE

jlp/phg