EFELima

O governo do Peru prorrogou nesta sexta-feira o estado de emergência no país, que entrou em vigor devido a pandemia da covid-19, até o dia 31 de outubro deste ano.

O novo decreto foi publicado hoje no diário oficial. O texto indica que a motivação são as "graves circunstâncias que afetam a vida das pessoas", como consequência da propagação do novo coronavírus.

A prorrogação da medida foi feita pela primeira vez ainda em março de 2020 e acontece mais uma vez em meio a uma tendência geral de baixa nos casos de covid-19, no entanto, com preocupação pelo aumento da presença da variante delta no território peruano.

De acordo com dados oficiais, em diversas regiões do país, há um aumento lento, mas constante dos positivos para o novo coronavírus.

Com a prorrogação do estado de emergência, ficam restritos direitos de liberdade e segurança pessoais, a inviolabilidade domiciliar, além da liberdade de reunião e trânsito no território nacional.

O decreto também aponta que, até 3 de outubro, seguirá valendo o confinamento obrigatório em horários determinados, segundo o nível de alerta vigente em cada província, de acordo com a quantidade de casos registrados.

CAMPANHA DE VACINAÇÃO.

De acordo com dados apresentados hoje, 9,1 milhões de pessoas no Peru contam com o esquema completo de vacinação, o que representa 28% da população nacional.

O número de pessoas que recebeu a primeira dose de imunizante chegou a 13,6 milhões, que são 42% da população.

Além disso, o boletim divulgado nesta sexta-feira pelo Ministério da Saúde indica que o país registrou mais 616 casos de infecção pelo novo coronavírus e 18 mortes por covid-19.

Desde o início da pandemia, foram contabilizadas 200 mil vítimas da doença, o que indica uma média de 600 óbitos para um conjunto de 100 mil habitantes.