EFEGuayaquil

A prefeitura de Guayaquil, no Equador, construirá dois novos cemitérios para enterrar as vítimas da Covid-19 na cidade, de acordo com um anúncio feito nesta terça-feira pela prefeita Cynthia Viteri.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, ela afirmou que "um estará no subúrbio e o outro no norte, no setor de La Casuarina. O sistema será o mesmo do cemitério Parques de La Paz".

"O primeiro será uma expansão do atual cemitério Angela María Canalis, localizado no sul de Guayaquil, e no segundo, que será construído do zero, o trabalho de limpeza já começou".

"Serão 12 hectares no total e haverá cerca de 12 mil sepulturas entre os dois cemitérios. Ambos serão gratuitos e serão em homenagem àqueles que morreram durante esta tragédia para que todos os seus entes queridos possam homenageá-los", acrescentou a prefeita.

A província de Guayas e sua capital Guayaquil são o epicentro do surto da Covid-19 no Equador.

Somente essa província registrou 2.534 casos, 67,6% do total no país (3.747, de acordo com o último boletim), e as mortes totalizaram 130, 68% de todo o Equador, embora haja outras 173 mortes não confirmadas, mas aparentemente causada pelo vírus.

O acúmulo de cadáveres gerou uma crise na semana passada que foi resolvida nas últimas horas, embora ainda haja cerca de 1 mil para serem sepultados.

É um processo realizado sem membros da família para evitar surtos de novas infecções. No entanto, os parentes das vítimas que morreram durante a poderão descobrir, a partir de um site oficial, onde seus entes queridos foram enterrados.

Por meio de seu perfil oficial no Twitter, o presidente equatoriano, Lenín Moreno, indicou que "a partir de hoje, parentes do falecido poderão conferir no site 'http://coronavirusecuador.com' em que cemitério estão os restos mortais".

Ontem, 146 vítimas do vírus foram enterradas pela Força-Tarefa Conjunta com aquela cidade, enviadas para acabar com o caos que existia e a disseminação descontrolada do coronavírus. EFE

cb-elb/phg

(foto)