EFEGenebra

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu nesta segunda-feira, na inauguração do 46º Conselho de Direitos Humanos da ONU, que o Exército de Mianmar "pare imediatamente a repressão" e liberte os detidos após quase três semanas de protestos contra o golpe.

"Devem acabar com a violência, respeitar os direitos humanos e respeitar a vontade que o povo expressou nas últimas eleições", disse o secretário-geral, lembrando que "os golpes não têm lugar no nosso mundo moderno".

"Quero expressar meu total apoio ao povo de Mianmar em seu desejo de democracia, paz, direitos humanos e Estado de direito", acrescentou Guterres.

O português também deu seu apoio à recente resolução do Conselho dos Direitos Humanos, aprovada no último dia 12 e que apelava a Mianmar para libertar sua Conselheira de Estado, Aung San Suu Kyi, lamentando também a supressão do governo eleito após as eleições de novembro do ano passado.

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas de quase toda Mianmar, hoje, em um dia de greve geral em protesto contra a junta militar que ameaçou com mais mortes após um trágico fim de semana em que duas pessoas faleceram devido à violência policial.