EFETeerã

O Ministério das Relações Exteriores do Irã disse nesta sexta-feira que os Estados Unidos temem a "democracia e participação (eleitoral)" no país, em resposta às novas sanções de Washington relacionadas às eleições parlamentares realizadas hoje.

"Aqueles que submeteram sanções a mais de 83 milhões de iranianos e não conseguiram obter resultados, se aproximaram agora da instituição de eleições no Irã com profundo desespero e frustração, e isso mostra como eles têm medo da democracia e da participação popular", disse o porta-voz Abbas Mousavi.

Os EUA anunciaram ontem sanções contra cinco posições iranianas importantes, incluindo o clérigo Ahmad Yanati, por supostamente impedir a participação de vozes críticas com o aiatolá Ali Khamenei nas eleições parlamentares realizadas hoje no Irã.

Os cinco indivíduos sancionados, cujos bens potenciais nos EUA estão congelados, fazem parte do Conselho de Guardiões, o órgão que deve aprovar os candidatos ao Parlamento e à presidência do Irã.

Musavi enfatizou em uma declaração que essas sanções "nada mais são do que o fracasso, frustração e a derrota da política de pressão máxima do regime americano".

Além disso, o porta-voz disse que o povo e o governo iraniano não valorizam essas sanções "covardes" e que a estratégia do Irã para essas medidas é a "máxima resistência".

Por sua vez, o aiatolá Yanati zombou das sanções e disse que agora não podem "ir aos EUA no Natal e gastar seu dinheiro lá".

O porta-voz do Conselho de Guardiões, Abbas Ali Kadjodai, outro dos sancionados, disse que a nação iraniana dará "uma resposta forte ao arrogante governo dos EUA com sua participação nas eleições".

O Departamento do Tesouro culpa Yanati, chefe da Assembleia de Peritos e secretário do Conselho de Guardiões, por vetar "quase metade" dos possíveis candidatos a eleições parlamentares.

Cerca de 7.150 candidatos participam das eleições, metade dos inscritos, e entre os vetados pelo Conselho de Guardiões, estão 75 dos atuais deputados e diversos reformistas e moderados.

Quase 58 milhões de iranianos são convocados neste dia para as eleições que elegerão os 290 membros do Parlamento, em eleições nas quais os conservadores esperam alcançar uma vitória.