EFERoma

O governo da Itália aprovou nesta quarta-feira um decreto que, entre outras medidas, reforça o uso do passaporte sanitário para a covid-19, impedindo a presença de não vacinados em atividades de entretenimento e que impõe a aplicação de vacina em policiais e professores.

"Queremos prevenir para conservar, ser muito prudentes, para evitar riscos e manter o que foi conquistado neste ano", disse o primeiro-ministro do país, Mario Draghi, em entrevista coletiva.

Apesar do pacote anunciado, o chefe de governo garantiu que a situação epidemiológica no território italiano está "sob controle", apesar de uma leve piora recente nos indicadores.

A principal medida anunciada é que, entre 6 de dezembro a 15 de janeiro, como tentativa de aumentar um aumento de casos nos Natal, o passaporte sanitário só será válido para as pessoas que foram vacinadas ou que superaram a covid-19.

Dessa foram, deixam de poder contar com o certificado aqueles que apresentam teste com resultado negativo para a infecção pelo novo coronavírus.

O passaporte será obrigatório em todo o país durante este período e, a partir de janeiro, será solicitado nas regiões em que também passar a vigorar os alertas de nível amarelo e laranja, o segundo e o terceiro dos quatro adotados pelas autoridades.

As pessoas que não tiverem se vacinado ficarão impedidas de frequentar shows, eventos esportivos, bares, restaurantes, boates e cerimônias públicas, em que o comprovante é requisitado.

Draghi destacou, além disso, que a cobertura da vacinação alcança 84% da população, com 45,5 milhões de pessoas com mais de 12 anos tendo sido imunizadas.

Além disso, a vacina passará a ser obrigatória a partir do próximo dia 15 na Itália para todos os profissionais de saúde e que trabalham em instituições de acolhimento de idosos, além de funcionários administrativos da saúde, educação, militares, integrantes das forças de segurança, entre outras corporações.

O decreto foi aprovado pelo Conselho de Ministros e estipula também um reforço no sistema de controle do passaporte sanitário, que obriga as autoridades provinciais a criar planos de verificação do documento.

A Itália registrou, nas últimas 24 horas, mais 12.448 casos de infecção pelo novo coronavírus e 85 mortes causadas pela covid-19, o que eleva a quantidade de vítimas ao longo de toda a pandemia para 133.415. EFE