EFEWashington

O ator americano Kevin Spacey chegou nesta segunda-feira a um tribunal de Nantucket, em Massachusetts, nos Estados Unidos, para ser julgado por uma suposta agressão sexual cometida em 2016 contra um jovem de 18 anos em um bar dessa cidade.

A expectativa é que Spacey se declare inocente dessas acusações, depois que seus advogados apresentaram em dezembro documentos legais na corte desse condado nos quais anunciaram que o ator não aceitaria a culpabilidade.

Os advogados de Spacey pediram ao juiz que lhe permitisse não comparecer ao tribunal com o argumento de que o ator vivia fora desse estado e que sua presença "amplificaria a publicidade negativa já gerada em relação com o caso", o que poderia influenciar negativamente no júri.

No entanto, o juzi Thomas Barrett desprezou o pedido do ator e o obrigou a apresentar-se hoje diante da corte, como estava anteriormente planejado.

O suposto caso de agressão sexual remonta a julho de 2016, quando um dos garçons do Club Car, um bar de Nantucket, sofreu uma suposta agressão sexual por parte do famoso ator, incluindo toques inadequados e insinuações.

De acordo com a denúncia do jovem, ele mentiu sobre sua idade, assegurando que tinha 23 anos, e começou a falar com Spacey de maneira amistosa.

O garçom explicou à polícia local que Spacey lhe comprou várias bebidas alcoólicas - a idade mínima para beber álcool nos EUA é de 21 anos -, lhe falou sobre o tamanho do seu pênis e insistiu várias vezes para que o jovem fosse à sua casa.

Mais tarde, Spacey supostamente acariciou a coxa do garçom de 18 anos e desabotoou as suas calças, esfregando seu pênis durante cerca de três minutos, segundo a acusação.

O jovem publicou uma gravação de parte da suposta agressão sexual na rede social Snapchat e enviou à sua namorada um vídeo, que depois foi verificado pelas autoridades.

Vencedor de dois Oscar por "Os Suspeitos" (1995) e "Beleza Americana" (1999) e considerado um dos melhores intérpretes da sua geração, Spacey viu sua carreira ruir devido à gravidade das acusações contra ele, que incluem dezenas de denúncias de assédio e abuso sexual.

Devido às acusações, os produtores de "House of Cards" demitiram seu protagonista e o cineasta Ridley Scott eliminou todas as cenas de Spacey no filme "Todo o Dinheiro do Mundo" (2017) e voltou a rodá-las com Christopher Plummer como substituto.