EFEMontevidéu

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, admitiu nesta segunda-feira que algumas mortes por Covid-19 ocorridas no país poderiam ter sido evitadas, mas continua considerando que o trabalho de seu governo no combate à pandemia vem sendo bem feito.

"É claro que algumas dessas mortes poderiam ter sido evitadas. Com outros comportamentos poderia ter sido evitado", declarou o chefe de governo em um evento público no departamento de Soriano.

O Uruguai teve até agora 1.908 mortes por Covid-19 desde o começo da crise sanitária, a maior parte dela em março e abril deste ano. Perguntado sobre esse aumento exponencial, Lacalle Pou disse que os óbitos não podem ser baseados apenas em números.

"Toda morte é uma tristeza. Quantas mortes são muitas? Dez, 20, 70...? Se for um parente nosso, um ente querido, cada morte nos incomoda. Parece-me que contar os mortos como se fossem um número é muito frio", afirmou.

No entanto, o presidente uruguaio valorizou o trabalho do país no combate ao coronavírus e enalteceu a campanha de vacinação, iniciada em 1º de março.

"É uma combinação de medidas restritivas que o governo vem tomando há bastante tempo e, ao mesmo tempo, a vacinação em bons termos. É uma vacinação que excede o que esperávamos", destacou Lacalle Pou, que voltou a frisar a importância do comportamento individual dos cidadãos, sem entrar em detalhes quanto ao que eles devem fazer.

"As medidas mais o plano de vacinação e o comportamento de cada um de nós é o que nos fará passar da melhor maneira possível estes dias muito complexos para o país", encerrou.

O país vizinho teve até agora 164.744 casos de coronavírus, 29.919 deles ainda ativos. Até as 16h09 minutos de hoje (local e de Brasília), 1.386.736 pessoas foram vacinadas contra a Covid-19, 315.595 delas com as duas doses, completando o processo de imunização.