EFEParis

O presidente da França, Emmanuel Macron, escolheu nesta sexta-feira o conservador Jean Castex como novo primeiro-ministro do país, após o pedido de demissão de Édouard Philippe, informou o comunicado do Palácio do Eliseu, sede do governo.

Castex, que ocupou vários cargos de segundo nível em diversos ministérios, era até o momento o responsável pela gestão do desconfinamento devido à crise da pandemia da Covid-19.

Macron aposta em um perfil técnico, um nome que há poucos meses era desconhecido pelo público, para liderar a nova cara de deseja dar ao seu governo nos dois anos que restam até as próximas eleições presidenciais.

O presidente anunciou hoje, em entrevista à imprensa francesa, que está enfrentando um novo período em que sua política será mais social e que terá um componente mais ecológico.

No início de abril, Castex foi encarregado de projetar o desconfinamento na França, o que o forçou a deixar de lado seu papel, o de coordenar as diferentes administrações envolvidas na organização dos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024.

Castex, de 55 anos, também é prefeito de Prades desde 2008. Sempre sob rótulos conservadores, ele ocupou vários cargos regionais, mas deu um salto intermitente a Paris para ocupar cargos de segundo escalão, como o de vice-secretário-geral da presidência entre 2011 e 2012, durante mandato de Nicolas Sarkozy.

Muito apreciado por suas habilidades administrativas, tanto entre políticos de direita quanto de esquerda, sua nomeação é interpretada como um passo à frente para o próprio Macron, que escolheu como primeiro-ministro um gestor e não um político.

Philippe, que passou três anos à frente do governo, deixa o cargo com altos índices de popularidade e no próximo domingo será oficialmente eleito prefeito de Le Havre, após vencer as últimas eleições municipais. EFE

lmpg/phg