EFEBuenos Aires

O ministro da Saúde da cidade de Buenos Aires, Fernán Quirós, fez um alerta nesta sexta-feira sobre a possibilidade de um aumento do número de casos do novo coronavírus na cidade, depois das aglomerações registradas durante o velório e o sepultamento do ex-jogador argentino Diego Maradona.

"O que vimos ontem não foi bom, claro que traz um risco epidemiológico. Também é verdade, que há alguma mitigação porque aconteceu tudo em espaço aberto, mas definitivamente, é uma imagem que temos que trabalhar para evitar", disse o integrante do governo local.

Quirós, que hoje apresentou relatório sobre a situação da pandemia em Buenos Aires, explicou que as eventuais consequências da presença de público em grande escala nas ruas da capital desde o início da manhã de ontem, serão conhecidas em duas semanas.

Há meses, a capital argentina vem tendo queda na taxa de infecções pelo novo coronavírus e, embora continue sendo a segunda região com mais casos. Apesar da preocupação, o ministro da Saúde da cidade admitiu entender o desejo das pessoas em irem se despedir do ídolo.

"Foi um dia muito especial, um dia muito importante, em termos emocionais e sentimentais para todos nós, que somos argentinos e sabemos o que Maradona significa em termos emocionais e racionais. É compreensível a situação, em um ano tão doloroso, é compreensível o que vimos. Mas, definitivamente temos que evitar", explicou.

Quirós aproveitou para recomendar que manifestações deste tipo sejam sempre realizadas com o maior distanciamento possível entre as pessoas, uso de máscaras e rigidez sobre a higiene.

Ainda segundo o ministro da Saúde, nas próximas duas semanas, será feito um reforço na estratégia de rastreamento de contatos de pessoas que deram positivo para o patógeno, e também nos testes de detecção.

Maradona morreu nesta quarta-feira, em casa, na cidade de Tigres, na província de Buenos Aires. O ex-jogador, que havia passado no início do mês por uma cirurgia no cérebro, sofreu uma parada cardíaca.

Ontem, ao longo do dia, 'El Pibe' foi velado na Casa Rosada, sede da presidência da Argentina, onde milhares de pessoas formaram longas filas para se despedir.

O corpo de Maradona foi encerrado em um cemitério na periferia de Buenos Aires, depois de um dia conturbado, inclusive, com confronto entre fãs e policiais, no fechamento do prédio para o público e no cortejo até o local do sepultamento.