EFECartagena (Colômbia)

O vice-presidente Hamilton Mourão enalteceu nesta quarta-feira, na III Cúpula Presidencial do Foro para o Progresso e Integração da América do Sul (Prosul), os avanços na vacinação contra a covid-19 na região, o que disse acreditar que evitará as dificuldades experimentadas em 2020 e 2021.

"Em 2022, apesar do recente aumento dos casos, estou convicto que não enfrentaremos dificuldades comparáveis às que nos afligiram em 2020 e 2021", disse Mourão durante a cúpula cimeira, realizada em Cartagena das Índias, onde substituiu o presidente Jair Bolsonaro, que não pôde viajar devido à morte da mãe, Olinda Bonturi.

Mourão recordou que a campanha de imunização do Brasil, iniciada em 17 de janeiro de 2021, permitiu que 70,8% dos 213 milhões de habitantes recebessem o ciclo vacinal completo, enquanto 76,7% da população recebeu a primeira dose.

"Não tenho dúvidas de que estamos mais preparados", declarou.

O vice-presidente brasileiro também valorizou o trabalho "em conjunto durante o ano passado" no Prosul "sobre questões centradas na integração regional da América do Sul, também no desenvolvimento dos países e no bem-estar das populações em questões comuns como energia e infraestruturas".

Além disso, ressaltou o que foi feito em termos de "segurança, bem como em resposta a catástrofes naturais, meio ambiente e saúde", que "receberam o tratamento merecido e necessário na agenda do Prosul".

Por esta razão, insistiu que na importância do que o fórum está fazendo para "superar a pandemia e retomar o caminho da prosperidade".

"É por isso que saliento a ênfase dada no Prosul aos desafios comuns na luta contra a covid-19 e aos seus inúmeros efeitos negativos nas nossas economias", disse Mourão.

O Prosul, criado em março de 2019, é um espaço de diálogo e cooperação para avançar rumo a uma integração mais eficaz entre Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai e Peru. EFE