EFEHavana

O Ministério de Saúde Pública de Cuba elevou nesta sexta-feira para 46 o número de mortos na explosão do Hotel Saratoga, localizado na região central de Havana, que aconteceu uma semana atrás.

Em boletim apresentado hoje, com atualização de dados, foi incluída a morte de uma pessoa que estava internada em hospital desde a última sexta-feira, quando aconteceu a tragédia.

Ontem, foram dadas por encerrados os trabalhos de resgate dos escombros na parte subterrânea do hotel, com a localização do corpo da última pessoa que era considerada desaparecida.

O número oficial de feridos segue sendo de 99, sendo que 13 pessoas permanecem internadas em hospitais. Ao todo, 40 pessoas receberam alta médica.

Entre os 46 mortos, estão quatro menores de idade e uma mulher grávida. Uma das vítimas é uma mulher espanhola, identificada como Cristina López-Cerón Ugarte, e as demais são cubanas.

O hotel não estava aberto no momento da explosão, e os 51 funcionários que estavam no interior do estabelecimento, o adequavam após o fechamento de dois anos, motivado pela pandemia da covid-19.

A reinauguração deveria ter acontecido na última terça-feira, de acordo com os planos iniciais.

De acordo com o governo de Cuba, a explosão foi consequência de um vazamento de gás, quando um caminhão-tanque de gás liquefeito estava abastecendo um depósito no subsolo do hotel.

Amanhã, será iniciado o período de dois dias de luto oficial decretado pelo presidente do país, Miguel Díaz-Canel, por causa da tragédia. EFE jpm/bg