EFEPequim

O número de mortos pelo surto do coronavírus que surgiu na cidade de Wuhan, na China, subiu nesta terça-feira (data local) para 106, e o de casos confirmados em todo o país chegou a 4.193.

O número, divulgado pelo jornal oficial "Diário do Povo", representa um aumento de 26 mortes e de 1.449 casos confirmados na comparação com o último boletim divulgado pela Comissão Nacional de Saúde da China.

A previsão é que o órgão publique nas próximas horas o boletim diário com informações sobre a evolução da doença.

A maioria dos novos casos e das mortes foi registrada na província de Hubei, cuja a capital é Wuhan, a origem do surto da doença. Só na cidade foram detectados ontem 892 casos a mais e 22 vítimas.

Wuhan está desde a última quinta-feira isolada do restante do país. Nove milhões de pessoas estão na cidade, segundo as autoridades locais, que determinaram a medida para conter a expansão do vírus.

As demais mortes incluídas no boletim desta terça-feira foram registradas nas regiões de Hebei, Henan, Heilongjiang, Haian, Pequim e Xangai.

Até o momento, o Tibete segue como a única província sem ter um único caso registrado.

Fora da China, já são 44 pessoas infectadas pelo vírus em países como Tailândia, Singapura, Estados Unidos, França e Austrália. Mais cedo, a Alemanha confirmou o primeiro caso no país.

Os números divulgados pelos órgãos da China e pela imprensa estatal consideram como nacionais os cinco casos confirmados até o momento em Taiwan, considerada pelo governo local como uma província rebelde.

Os sintomas do novo coronavírus são parecidos aos de um resfriado comum, mas podem vir acompanhados de febre, cansaço, tosse seca e dificuldade para respirar.