EFEGenebra

A região da Ásia-Pacífico, a primeira do mundo a detectar casos de covid-19 e agora é a menos afetada, conseguiu controlar a pandemia pois, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não relaxou quando as infecções caíram, comparando com a situação do Ocidente.

"Muitos outros países traçaram uma linha de chegada imaginária e quando a alcançaram, interromperam suas atividades de prevenção, enquanto os da Ásia, continuaram", disse em entrevista coletiva, o diretor de emergências em saúde da da OMS, Mike Ryan.

O especialista irlandês salientou que, embora cada país da Ásia-Pacífico tenha seguido estratégias diferentes, tiveram pontos em comum, entre eles "a vantagem de que a sua opinião pública confia mais no seu governo e cumpre melhor e a longo prazo as medidas que foram pedidas".

Citando os exemplos da Coreia do Sul, Japão, China, Taiwan, Singapura e Austrália, Ryan também disse que todos têm focado sua estratégia na detecção de casos e quarentena de contatos, que "não foram apenas enviados para casa, mas que receberam apoio em forma de alojamento, alimentação ou serviços de ajuda".

"Se me pedissem como especialista em saúde pública para ordenar algo para melhorar a situação, seria tomar medidas para garantir que cada contato de um caso confirmado seja colocado em quarentena pelo tempo necessário, algo que não está acontecendo sistematicamente em países que agora sofrem de forte aumento de casos", afirmou.