EFEBerlim

Um pacote suspeito detectado nesta terça-feira na sede do Bundestag (Câmara Baixa da Alemanha), em Berlim, foi retirado e a polícia, após análise de seus especialistas, negou a possibilidade de se tratar de um material explosivo.

Segundo informações do jornal "Bild" e das emissoras de TV "RBB" e "N-TV", os correios do parlamento detectaram um "USBV", abreviação de "dispositivo explosivo e incendiário não convencional, por volta das 10h (horário local, 5h de Brasília)".

As forças de segurança foram imediatamente alertadas e uma equipe do esquadrão antibomba do Departamento de Investigação Criminal de Berlim (LKA) foi enviada ao Bundestag.

A ação ocorreu no edifício Marie Elisabeth Lüders, que não foi preciso ser desocupado. O material foi removido para análise policial.

O pacote suspeito era destinado ao deputado social-democrata Karl Lauterbach, especialista em Saúde e defensor nos últimos meses de cautela e restrições na crise do novo coronavírus.

"Felizmente, ficou provado que era um pacote inofensivo. Em nenhum momento representou um perigo", assegurou o próprio Lauterbach, à revista "Der Spiegel".

A sede parlamentar do Bundestag é constituída pelo Reichstag, seu edifício principal, e outros prédios adjacentes para escritórios e comitês, como o Marie Elisabeth Lüders. O complexo está localizado no centro de Berlim, entre o Portão de Brandemburgo e a Chancelaria.

Em janeiro de 2016, o Ministério das Relações Exteriores foi temporariamente isolado após a detecção de remessa postal suspeita durante uma verificação de rotina, e em novembro de 2010, também na Chancelaria, um pacote contendo material explosivo foi interceptado.