EFERoma

O papa Francisco realizou nesta sexta-feira uma histórica benção 'Urbi et Orbi' (À cidade e ao mundo), em uma Praça de São Pedro completamente vazia, como medida de prevenção diante da propagação do novo coronavírus, que já matou mais de 9 mil pessoas na Itália e mais de 25 mil no planeta.

Em meio ao silêncio e protegido por uma tenda da chuva incessante, o líder da Igreja Católica falou para fiéis que puderam assistir ao vivo através do site do Vaticano e outros meios.

"Há semanas, parece que a tarde caiu. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades, apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo de um silêncio ensurdecedor e de um vazio desolador. Nos vimos amedrontados e perdidos", disse o pontífice.

A benção 'Urbi et Orbi' é feita, habitualmente, em três ocasiões, no Natal, na Páscoa e quando um novo papa é eleito. Mas, também acontece em momentos pontuais da história, como quando o Pio XII celebrou o 25º aniversário das aparições de Fátima, em 1942.

A oração de hoje tem uma característica particular, que é a do perdão oferecido a todos os católicos, assim como o próprio Francisco estabeleceu recentemente no decreto da Penitência Apostólica.

A cerimônia começou às 18h local (14h de Brasília), quando o papa se dirigiu em silêncio à praça, subiu as escadas e chegou ao sacrário montado para que oferecesse a homilia. Depois disso, o líder religioso se dirigiu até a Virgem Salus Populi Romani, nos portões do Vaticano.

As imagens de Francisco em uma Praça de São Pedro totalmente vazia, contrastando com a habitual multidão que o aguarda para uma celebração ou apenas um simples aceno vêm rodando o mundo, através da imprensa e das redes sociais.

ORAÇÃO PARA QUEM ESTÁ NA RUA.

Na homilia, o papa dedicou palavras aos médicos, enfermeiros, funcionários de supermercados, empresas de limpeza, cuidadores, transportadores, integrantes de forças de segurança, voluntários, religiosos e todos que precisam estar nas ruas, em meio à pandemia.

"Compreenderam que ninguém se salva sozinho. Diante do medo, reagiram oferecendo a própria vida", disse Francisco.

Para o pontífice, são pessoas comuns que podem ser apresentadas como exemplo de valentia e generosidade nos tempos atuais.

"Não aparecem em capas de jornais e revistas, nem em grandes passarelas, mas sem dúvida alguma, estão escrevendo hoje os acontecimentos mais decisivos da nossa história", garantiu o líder da Igreja Católica.

Francisco ainda lembrou de "pais, mães, avôs, avós e professores", que estão se dedicando de alguma forma às crianças, no momento de dificuldade e isolamento.

Na homilia, o papa ainda pediu que toda a humidade aceite o convite feito à reflexão sobre a importância da fraternidade e solidariedade, frente o individualismo e o egoísmo.