EFELondres

A Polícia do Reino Unido denunciou nesta quinta-feira as "condições inadmissíveis" nas quais muitos de seus agentes estão se vendo obrigados a dormir por ocasião da visita do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao país.

Fotografias divulgadas hoje pelo presidente da Federação da Polícia em Hampshire, John Apter, mostram um ginásio esportivo repleto de fileiras de colchonetes e sacos de dormir, nos quais estariam dormindo os agentes encarregados de cobrir a visita oficial do presidente americano, que chegará ao aeroporto londrino de Stansted.

"Os prisioneiros detidos ontem à noite tiveram um alojamento melhor que os policiais que asseguram que a visita presidencial transcorra sem incidentes. O Conselho Nacional de Chefes de Polícia (NPCC, na sigla em inglês) expressou que o bem-estar de seu pessoal deveria ser analisado minuciosamente. "Isto não é aceitável", publicou Apter na sua conta do Twitter.

Segundo o agente, "os policiais estão lidando com uma grande pressão. Muitos deles tiveram seus dias livres cancelados, estão trabalhando mais horas por turno e isto é só a ponta do iceberg", disse Apter.

Por sua vez, o tesoureiro adjunto da Federação da Polícia na Inglaterra e País de Gales, Simon Kempton, informou que se espera que 300 oficiais durmam no ginásio sem água quente e com acesso restrito à comida quente.

"Pediram a estes agentes que deixem suas famílias para viajar para outra parte do país e ajudar a proteger os cidadãos e o presidente. A única coisa que esperam em troca é serem tratados com um pouco de dignidade e respeito", declarou Kempton.

De acordo com o oficial, os policiais só podem dormir "entre três e quatro horas" nessas condições, após o que devem encarar turnos de 15 horas.

Após as imagens serem publicadas, uma porta-voz do NPCC afirmou que a Polícia de Essex está trabalhando "a toda velocidade" para resolver este assunto.

"Alguns dos alojamentos mostrados hoje não são aceitáveis e estão abaixo dos padrões para este tipo de operação", reconheceu.

Por ocasião da visita do presidente americano e das manifestações programadas por causa da mesma, o Reino Unido fará uma operação de agentes nunca visto desde os protestos de 2003 por causa da guerra do Iraque.

Estima-se que a operação, na qual estão envolvidos policiais de todos os pontos do país, tenha um custo superior a 10 milhões de libras.