EFELisboa

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Portugal já identificou parte dos torcedores suspeitos de proferirem insultos racistas contra o atacante malinês Moussa Marega, do Porto, no último domingo, contra o Vitória de Guimarães pelo Campeonato Português.

Conforme revelado na segunda-feira por um porta-voz da PSP à estação de rádio portuguesa "TSF", vários suspeitos foram identificados graças às câmeras de segurança.

Na última rodada do Campeonato Português, o atacante decidiu deixar o campo aos 24 minutos do segundo tempo por conta dos constantes insultos racistas que vinha recebendo da torcida do Vitória de Guimarães.

Oito minutos antes, ele havia marcado o gol que deu a vitória ao Porto por 2 a 1.

Hoje, o presidente dos Dragões, Jorge Nuno Pinto da Costa, pediu, durante conversa com jornalistas, que os culpados sejam "punidos exemplarmente para que não se repitam".

Ele também explicou que, na sua opinião, "mais do que racismo, era um teste de estupidez".

Para Pinto da Costa, historicamente, "o futebol serviu para garantir que não houvesse racismo" e lembrou como quando criança os ídolos do Porto eram "jogadores de cor".

"É evidente que foi lamentável", disse o presidente se referindo aos insultos. EFE

cgg/phg