EFESeul

A polícia da Coreia do Sul confirmou na madrugada desta sexta-feira (data local) ter encontrado o cadáver do prefeito de Seul, Park Won-soon, cujo desaparecimento havia sido denunciado horas antes pela família, informou a agência "Yonhap".

Um porta-voz policial explicou que o corpo de Park, de 64 anos, foi achado no monte Bukak, no distrito de Jogno-gu, ao norte da capital sul-coreana, perto de onde foi visto pela última vez, às 10h53 (horário local; 22h53 de quarta-feira em Brasília), após sair de casa.

Horas depois, a família denunciou o desaparecimento e revelou que o político deixou escritas "algumas palavras que se parecem com um testamento" e que o celular de Park estava desligado.

As autoridades locais acionaram então um enorme dispositivo de busca na área onde Park foi visto pela última vez, mobilizando cerca de 770 policiais e bombeiros, cães e seis drones equipados com câmeras térmicas.

A polícia disse que está investigando a causa exata da morte, embora tudo indique que o vereador tirou a própria vida.

A imprensa sul-coreana noticiou que uma ex-secretária de Park foi às autoridades na quarta-feira para denunciar um suposto caso de assédio sexual, informação que ainda não foi confirmada publicamente pela polícia.

Park, que nasceu em 1956 em Changyeong, na província de Gyeongsang do Sul (sudeste), era prefeito desde 2011 e desfrutou de uma popularidade tremenda. Ele é o único governante na história de Seul a ser reeleito para um terceiro mandato consecutivo, e era considerado um forte candidato a concorrer nas eleições presidenciais marcadas para 2022.