EFENursultan

O presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, seguirá nesta terça-feira para Pequim com o objetivo de fortalecer as relações estratégicas com a China.

A visita, a quarta do presidente cazaque ao exterior, e a primeira após as eleições em junho, durará até a próxima quinta-feira, e será realizada em resposta a um convite feito pelo presidente chinês Xi Jinping, nas vésperas do 70º aniversário da criação da República Popular da China.

Tokayev deve se reunir com o mandatário chinês, onde se espera que aconteça a assinatura de uma declaração conjunta sobre a abertura de uma nova etapa de cooperação estratégica entre os dois países.

A visita terá um intenso programa de atividades, dedicado à atualização da agenda bilateral e as prioridades das relações entre as nações.

A nova etapa da cooperação estratégica entre Nursultan e Pequim estará marcada pela iniciativa chinesa das Novas Rodas da Seda e sua passagem pelo Cazaquistão, o que melhoraria o desenvolvimento de infraestrutura na região.

Além disso, o país da Ásia Central, rica em hidrocarbonetos, busca diversificar sua produção e diminuir a exportação de matérias-primas e aumentar a exportação de produtos de valor agregado, para os quais Nursultan tem investimentos de seu vizinho oriental.

Tokayev também se reunirá com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, e o presidente da Assembleia Popular Nacional, Li Zhanshu.

O mandatário do Cazaquistão também participará da sexta reunião do conselho empresarial chinês-cazaque e fará um discurso em uma conferência na Academia de Ciências Sociais da China.

Além disso, ele viajará para a cidade de Hangzhou, na província de Zhejiang, onde visitará a empresa chinesa de tecnologia digital Hikvision e se reunirá com Jack Ma, fundador do gigante chinês do comércio eletrônico Alibaba, que anunciou hoje que deixará a presidência executiva da multinacional.

Durante a visita do presidente cazaque à China, serão assinados uma dúzia de acordos sobre temas de agricultura, tecnologia da informação, comércio eletrônico, relações comerciais e cooperação em emergências.

Esta visita ocorre no meio de um aumento de manifestações "anti-chineses" no Cazaquistão, onde há uma semana aconteceram comícios em cinco cidades contra a chamada "expansão" chinesa.