EFEBuenos Aires

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, afirmou nesta terça-feira que nos dois anos que restam de mandato vai trabalhar para tornar realidade os compromissos assumidos quando chegou ao poder, e fez uma analogia com os últimos minutos de uma disputa esportiva.

"Vou cumprir e vou honrar o mandato que os argentinos me deram. E vou fazê-lo na prorrogação, nos acréscimos, nos dois anos que faltam, quando sabemos que nos dois primeiros, infelizmente, tivemos que mudar as prioridades devido à pandemia que vivemos", disse Fernández em cerimônia na cidade de Comodoro Rivadavia, no sul do país.

O presidente argentino também declarou que seu governo está trabalhando para tirar a Argentina "de um tempo de adiamento", em referência ao governo de seu antecessor, Mauricio Macri, e "de uma época muito ingrata", em relação à pandemia de covid-19.

"Tudo o que queríamos fazer quando chegamos ao governo, em 10 de dezembro de 2019, infelizmente foi adiado", alegou.

Desde o início da pandemia, o país registrou 5,2 milhões de casos de covid-19 e 115.704 mortes pela doença. Durante o período, a economia argentina, que já vinha em recessão desde 2018, piorou, com índices de pobreza, desemprego e inflação refletindo um grave cenário.

Neste contexto, o partido governista sofreu uma dura derrota nas primárias de setembro para as eleições legislativas de 14 de novembro.

"Agora podemos fazer tudo o que prometemos. O que prometo a vocês é que vamos colocar todos os nossos esforços para que nos próximos dois anos possamos fazer o que prometemos fazer em quatro anos e que durante dois anos a pandemia nos impediu", afirmou.

"Preciso da força e do apoio de todos vocês. Preciso da união de todos vocês. É a união que nos fez chegar onde chegamos e é a união que nos conduzirá no futuro", acrescentou. EFE