EFEMoscou

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, proibiu nesta sexta-feira, através de um decreto válido até o final do ano, que investidores de países "hostis" com Moscou tenham qualquer tipo de operações com suas participações em empresas estratégicas, em particular, no setor de energia e bancário do país.

O decreto especifica que a proibição, tanto para pessoas jurídicas como físicas, se estende a todas as empresas estratégicas e sociedades anônimas e suas filiais, bem como aos projetos de gás Sakhalin e o petroleiro Jariaga, no Extremo Oriente e noroeste da Sibéria, respectivamente.

O decreto presidencial afeta também as transações com as participações de usuários de todos os grandes depósitos de petróleo, gás, carvão, bem como urânio, quartzo, níquel, cobalto, tântalo, nióbio, berílio, cobre, diamantes, ouro, lítio e metais de platina.

Além disso, Putin ordenou que o governo e o Banco Central da Rússia preparem em dez dias a lista de empresas e bancos que terão operações proibidas com ações de investidores de países hostis.

"As operações proibidas por este decreto podem ser realizadas com autorização especial do Presidente da Federação Russa", afirma o documento.

A lista de países "hostis" com a Rússia elaborada pelo governo russo inclui 49 Estados, incluindo todos os membros da União Europeia, Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Suíça, Noruega, Japão e Austrália. EFE