EFETóquio

Destaque do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Rebeca Andrade, que na semana passada se tornou a primeira medalhista olímpica da história da ginástica artística feminina do país, com a prata no individual geral, voltou a fazer história neste domingo ao conquistar o ouro no salto.

Na primeira tentativa na prova, a brasileira, de 22 anos, executou um Cheng e recebeu a nota 15,166. Depois, optou por um Amanar, avaliado em 15,000.

Rebeca fechou a prova com média de 15,083 pontos, sendo a única a ultrapassar a marca de 15,000. A americana Mykayla Skinner (14,916) ficou com a prata, e a sul-coreana Yeo Seojeong (14,733), com o bronze.

Ainda haverá uma terceira chance de medalha para Rebeca em Tóquio. Ela vai disputar a final do solo na segunda-feira, quando poderá se igualar ao canoísta Isaquias Queiroz, até agora o único atleta brasileiro a conquistar três medalhas em uma edição dos Jogos Olímpicos, com duas pratas e um bronze em 2016, no Rio de Janeiro.

Com a conquista no salto, Rebeca Andrade sucede como campeã olímpica a americana Simone Biles, medalhista de ouro em 2016 e que domina essa prova em diversos campeonatos desde 2013, mas que deixou de competir nas finais em Tóquio para cuidar da saúde mental.

Nas arquibancadas da Arena Ariake, Simone, que já havia comemorado o desempenho da brasileira no individual geral, aplaudiu com entusiasmo quando Rebeca competiu no salto e colocou a medalha no pescoço.

BRONZE DE FRATUS.

Com os dois pódios de Rebeca Andrade, o Brasil totaliza até o momento dez medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio: duas de ouro, três de prata e cinco de bronze - entre eles o conquistado pelo nadador Bruno Fratus.

Na final dos 50m livre, ele terminou no terceiro lugar, com o tempo de 21s57, atrás apenas do americano Caeleb Dressel, que estabeleceu um novo recorde olímpico com a marca de 21s07, e do francês Florent Manaudou, que nadou em 21s55.

Na terceira final olímpica da carreira, Fratus, de 32 anos, que já havia sido o quarto colocado em Londres e o sexto no Rio de Janeiro nos 50m livre, conquistou a 15ª medalha do Brasil na história da natação nos Jogos Olímpicos.

MEDALHA GARANTIDA NO BOXE.

O pugilista Hebert Conceição venceu o cazaque Abilkhan Amankul por 3 a 2 nas quartas de final da categoria de até 75kg e, ao se classificar para as semifinais, garantiu mais uma medalha para o Brasil, já que não há disputa pelo terceiro lugar no boxe.

Na próxima fase, o adversário de Hebert na luta por uma vaga na final será o russo Gleb Bakshi.

A medalha de Herbert não é a única garantida no boxe. Na sexta-feira passada, Abner Teixeira avançou às semifinais da categoria peso-pesado (até 91kg) e terá pela frente o cubano Julio La Cruz.

VITÓRIA SOBRE A FRANÇA NO VÔLEI MASCULINO.

Em um duelo eletrizante, a seleção brasileira masculina de vôlei, que já tinha vaga garantida nas quartas de final em Tóquio, derrotou a França na Arena Ariake. Os comandados de Renan dal Zotto fecharam a participação no grupo B com vitória por 3 sets a 2, com parciais 25-22, 37-39, 25-17, 21-25 e 20-18.

A Rússia, que venceu a Tunísia por 3 a 0, avançou em primeiro lugar no grupo B, seguida pelo Brasil, que na próxima fase vai encarar o terceiro colocado do grupo A, ainda não definido, mas que será Itália, Japão ou Irã.

ELIMINAÇÃO DE ÁGATHA E DUDA.

Ágatha e Duda, que estavam entre as favoritas ao ouro no vôlei de praia feminino, foram eliminadas nas oitavas de final neste domingo. A dupla brasileira perdeu por 2 sets a 1 para as alemãs Laura Ludwig e Margareta Kozuch.

A partida, decidida com parciais de 21-19, 19-21 e 16-14, marcou o reencontro olímpico de Ludwig com Ágatha. Em 2016, no Rio de Janeiro, a alemã foi campeã ao lado de Kira Walkenhorst, enquanto Ágatha e Bárbara Seixas ficaram com a prata.

O Brasil segue na disputa da modalidade em Tóquio com a dupla formada por Ana Patrícia e Rebecca, que venceram as chinesas Fan Wang e Xia Zinyi por 2 sets a 0, com parciais de 21-14 e 23-21, e se classificaram para as quartas de final. As próximas adversárias das brasileiras serão as suíças Heidrich e Vergé-Dépré.

SCHEIDT FORA DO PÓDIO.

O velejador Robert Scheidt, dono de dois ouros, duas pratas e um bronze em Jogos Olímpicos, se despediu de Tóquio sem medalha. O brasileiro ficou em oitavo lugar geral na classe Laser, após terminar em nono na medal race, a última regata, que dá mais pontos.

Na classe 49er FX, as campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze seguem em busca do segundo ouro consecutivo. Empatadas na liderança com as holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duetz, com 70 pontos perdidos após 12 regatas, elas disputarão a regata da medalha na segunda-feira.