EFELondres

O ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps, confirmou nesta segunda-feira que a partir do próximo dia 11 de fevereiro será eliminada a exigência de testes de covid-19 para pessoas totalmente vacinadas em sua chegada ao Reino Unido.

Em um pronunciamento na Câmara dos Comuns, Shapps especificou que os viajantes vacinados que então chegarem ao país terão apenas que preencher um formulário de localização, mas que estes documentos - que também são atualmente exigidos - "serão mais simples e fáceis".

Por outro lado, as pessoas que não estiverem totalmente vacinadas não terão mais que fazer o teste no oitavo dia após a chegada a este país ou se isolar.

Com as mudanças, aqueles viajantes que não estiverem imunizados terão que preencher o documento de localização, apresentar o resultado negativo de um teste de covid-19 feito dois dias antes da partida para o Reino Unido e passar por outro PCR na chegada.

Shapps justificou as mudanças nas regras atuais com o argumento de que os testes em pessoas vacinadas não são mais "úteis", ressaltando que a medida tornará as viagens "muito mais fáceis", economizará dinheiro para as famílias e dará segurança aos passageiros e para a indústria, especialmente antes do verão.

Em seu discurso, o ministro também indicou que o país também reconhecerá as vacinas de outros 16 países, incluindo China e México, o que significa que viajantes vacinados de um total de 118 países poderão entrar no Reino Unido.

Por sua vez, os menores de 18 anos continuarão a ser tratados como totalmente vacinados para fins de viagens internacionais.

Esta informação havia sido antecipada na manhã de hoje pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante uma visita a um hospital em Londres, embora não tenha especificado datas ou detalhes.

A notícia representa um importante impulso para o setor da aviação e algumas companhias aéreas já reagiram, como a britânica easyJet, cujo CEO, Johan Lundgren, indicou em comunicado que seus clientes "ficarão satisfeitos ao ver o retorno das viagens sem restrições ao Reino Unido.

"Acreditamos que a exigência de teste para viagens deve ser coisa do passado. Está claro que as restrições de viagem não reduziram significativamente a disseminação da ômicron no Reino Unido, por isso é importante que não haja mais reações precipitadas a futuras variantes", disse Lundgren.

Atualmente, para entrar no Reino Unido, as pessoas que já estão vacinadas têm que solicitar um teste de covid-19 a uma empresa privada, ao qual esses viajantes devem se submeter dois dias após a chegada ao país.

Os viajantes não vacinados, por sua vez, devem fazer um teste antes do embarque e dois testes PCR na chegada - realizados no segundo e oitavo dia após o desembarque -, além de ficarem isolados por dez dias. EFE