EFEMoscou

A Rússia acredita que as relações com os Estados Unidos atingiram um ponto "perigoso e crítico" e que o diálogo substancial e as medidas concretas de Washington e seus aliados sobre as garantias de segurança exigidas pelo Kremlin em meio às tensões envolvendo uma possível entrada da Ucrânia na Otan são urgentemente necessárias.

O Ministério das Relações Exteriores russo divulgou nesta sexta-feira este posicionamento em um comunicado após perguntas deixadas sem resposta na semana passada pelo chanceler Sergey Lavrov em sua tradicional entrevista coletiva de início do ano. O anúncio coincide com a chegada dele a Genebra, na Suíça, para se encontrar com o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

"Quanto às relações Rússia-EUA, que atingiram um ponto perigoso e crítico devido a Washington, há uma necessidade urgente de um diálogo substancial e sério e de medidas concretas por parte dos americanos e seus aliados para conceder garantias de segurança confiáveis à Rússia", disse a pasta.

"A atividade agressiva da Otan no 'flanco oriental', as ações hostis contra nosso país, incluindo exercícios não programados, proximidade e manobras perigosas de navios de guerra e aviões de guerra, desenvolvimento militar do território ucraniano, são absolutamente inaceitáveis", acrescentou.

A Rússia exigiu garantias de segurança dos EUA e da Otan para impedir que a aliança militar se expanda mais para o leste e desloque armas para perto de suas fronteiras. A questão foi debatida sem avanços na semana passada, em Genebra, Bruxelas e Viena.

Para acrescentar contornos mais dramáticos às tensões, o Ocidente teme um ataque ou uma invasão da Ucrânia pela Rússia - que já enviou mais de 100 mil soldados à fronteira - em breve.

A Rússia considera os EUA seu principal interlocutor e exige uma resposta por escrito a suas exigências. O Kremlin disse que pode esperar até a próxima semana.

"A Rússia costumava fazer os esforços adequados, mas nossos passos eram dados como garantidos e, em resposta, recebemos apenas um arrogante desprezo pelas prioridades russas", alegou Moscou.

"Agora é importante reconstruir a atmosfera de confiança, para voltar pelo menos a um semblante de normalidade. Isso é do interesse comum. Em geral, não há diferenças insuperáveis entre a Rússia e os Estados Unidos", argumentou o Ministério das Relações Exteriores.

A Rússia exige que Washington demonstre "vontade política" para uma conversa sincera, mas deixa claro que não "dialogará apenas sobre questões de interesse para os Estados Unidos, quando nossas legítimas preocupações são desafiadoramente ignoradas".

"É hora de abandonar as pretensões à hegemonia global, o que é inaceitável nas realidades geopolíticas de hoje". Sem isso, a interação sustentável não será possível", acrescentou o Ministério das Relações Exteriores. EFE