EFEPraga

O primeiro-ministro interino da República Tcheca, o multimilionário Andrej Babis, foi agente da polícia política (StB) da Tchecoslováquia durante a ditadura comunista, segundo uma sentença definitiva emitida nesta terça-feira por um tribunal eslovaco.

O Tribunal Regional da Bratislava confirmou hoje que o nome de Babis deve continuar aparecendo na lista que contém os nomes dos confidentes e colaboradores do órgão repressivo comunista.

Babis, nascido na Eslováquia, admitiu que na década de 1970 a StB o contatou, embora tenha assegurado que não chegou a colaborar com pleno conhecimento com essa corporação.

No entanto, segundo o Escritório da Memória Histórica da Eslováquia (UPN), Babis se transformou em homem de confiança da StB em 1980 e em 1982 passou a ser agente sob o codinome "Bures".

Em 2013, um tribunal de primeira instância deu razão a Babis em sua exigência para que a UPN retirasse seu nome da lista de colaboradores, ao não encontrar evidência de colaboração voluntária com a StB.

Essa sentença foi apelada pela UPN, à qual a Justiça deu agora a razão em uma sentença contra a qual não cabe recurso.

Esta decisão não tem consequências legais nem políticas para Babis, já que ter colaborado com a StB só o desabilita para trabalhar como funcionário público.