EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou nesta segunda-feira transferir a Convenção Nacional Republicana, na Carolina do Norte, para outro estado do país, a menos que seja "garantida" uma presença maciça, apesar das preocupações com a pandemia da Covid-19.

"Eu amo tanto o grande estado da Carolina do Norte que insisti em realizar a Convenção Nacional Republicana em Charlotte, no final de agosto. Infelizmente, o governador democrata Roy Cooper ainda está em reclusão e é incapaz de garantir que nos seja permitida uma presença completa no estádio", disse Trump, em sua conta no Twitter.

A convenção republicana, o principal evento em que o partido escolhe seu candidato para a eleição presidencial do próximo mês de novembro e que reúne dezenas de milhares de participantes, está programada para ser realizada em Charlotte de 24 a 27 de agosto.

Trump exigiu "uma resposta imediata do governador sobre se será permitida ou não utilizar toda a capacidade" do estádio.

"Caso contrário, seremos relutantemente forçados a encontrar, com todos os empregos e desenvolvimento econômico que oferece, outro lugar para a Convenção Nacional Republicana", disse ele.

A Carolina do Norte, considerada um dos principais estados para obter a vitória eleitoral, foi conquistada em 2016 pelo atual presidente por uma margem estreita contra sua então rival, a democrata Hillary Clinton.

Trump está ansioso para reiniciar a atividade no país após semanas de confinamento e restrições à mobilidade para tentar conter a propagação do novo coronavírus, ao contrário dos pedidos de cautela manifestados pelos profissionais de saúde.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) publicaram na semana passada diretrizes para o processo de reabertura, no qual levantam algumas das medidas de reclusão, mas desencorajam a realização de eventos de massa.

Os democratas anunciaram há algumas semanas que adiariam sua convenção planejada em Milwaukee (Wisconsin) de julho para meados de agosto, devido à propagação do coronavírus, que já deixou quase 100 mil mortos e mais de 1,6 milhão de infectados nos EUA.

Da mesma forma, apontaram que contemplam como cenário possível a celebração do evento, onde está prevista a nomeação formal do ex-presidente Joe Biden como candidato, em formato reduzido, com participação virtual. EFE

afs/phg