EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira que seu governo tem provas da responsabilidade do Irã no ataque a dois navios petroleiros em águas do golfo de Omã.

"(Os iranianos) fizeram isso", disse Trump em entrevista por telefone à emissora de televisão "Fox". "Vocês viram. Eles não sabem que temos as técnicas que nos permitem observar no escuro".

Além disso, o presidente americano insistiu que está disposto a dialogar pessoalmente com o presidente do Irã, Hassan Rohani, que já disse que "não vale a pena falar com Trump".

Dois petroleiros, um que pertence a uma companhia norueguesa e outro de uma empresa japonesa, sofreram na quinta-feira um ataque quando saíam do estreito de Ormuz, a 55 quilômetros do litoral do Irã.

Durante a madrugada, o Comando Central dos EUA divulgou um vídeo no qual mostra que é possível observar marujos iranianos retirando uma mina do casco da embarcação japonesa Kikura Courageous.

O vídeo mostra um pequeno bote atrás do navio, enquanto um indivíduo alcança o casco e retira um objeto.

Segundo os EUA, o objeto provavelmente era uma mina que não chegou a explodir.

Trump, em uma explicação da sua política em relação ao Irã, afirmou nesta sexta-feira que o país "não pode ter armas nucleares".

"As armas nucleares são uma das grandes dificuldades do mundo", acrescentou. "Estamos sendo muito severos com as sanções".

Segundo o presidente dos EUA, quando ele chegou à Casa Branca, em janeiro de 2017, "o Irã estava em todas as partes, os iranianos estavam no Iêmen, na Síria, em 14 lugares de conflito. Era uma nação de terror".

"Eram imparáveis e agora estão com problemas muito graves", continuou Trump.

"Não encaramos de forma superficial incidentes como o dos petroleiros", disse Trump, para acrescentar que se o Irã tentar fechar o trânsito de navios pelo estreito de Ormuz, "não ficaria fechado por muito tempo".