EFEWashington

Uma multidão vaiou nesta quinta-feira o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante a visita à Suprema Corte, onde é realizado um velório para Ruth Bader Ginsburg, juíza da Suprema Corte que morreu na sexta-feira passada e que o mandatário quer substituir antes das eleições de novembro.

Trump e a esposa, Melania, fizeram uma curta visita à Suprema Corte, onde o caixão da magistrada, um ícone do movimento feminista nos EUA, está localizado desde quarta-feira.

Usando máscaras, Donald Trump e a primeira-dama ficaram de pé de cada lado do caixão de Ginsburg e mantiveram um minuto de silêncio, enquanto as vaias da multidão em frente à Suprema Corte cresciam.

"Vamos votar para vá embora", gritavam os cidadãos repetidamente, até que Trump deu meia-volta e entrou no edifício do tribunal.

As dezenas de pessoas que gritavam esperavam na fila para se aproximar do caixão de Ginsburg. Quando a limousine do presidente se aproximou, eles também gritaram: "Respeitem o desejo dela".

Com essa frase, os críticos de Trump se referiram à mensagem que a juíza deixou antes de morrer. Ginsburg expressou que seu "desejo mais fervoroso" era "não ser substituída até que haja um novo presidente", após as eleições de 3 de novembro.

Ginsburg, uma dos quatro juízes progressistas da Suprema Corte, estava ciente de que se Trump a substituísse, o equilíbrio do tribunal poderia inclinar fortemente para a direita, com seis magistrados de linha conservadora e apenas três progressistas.

Trump já deixou claro que não pretende atrasar a nomeação e que planeja anunciá-la neste sábado, depois de garantir que reduziu sua lista para cinco candidatas, todas mulheres. EFE

llb/vnm

(foto)(vídeo)