EFEGenebra

A variante ômicron do coronavírus Sars-CoV-2 tem uma alta capacidade de driblar os anticorpos naturais gerados por um contágio anterior por covid-19, enquanto as pessoas vacinadas mostram uma resistência muito maior, de acordo com um estudo conjunto da Universidade de Genebra e do Hospital Universitário de Genebra, na Suíça.

A pesquisa concluiu que a ômicron tem uma capacidade excepcional de contornar a imunidade naturalmente desenvolvida pelo corpo após contrair outras variantes, como delta, alfa e gama.

Outra descoberta importante do estudo é que a capacidade da ômicron de causar hospitalizações e mortes é muito reduzida em pessoas que foram vacinadas contra a covid-19.

A equipe de pesquisa coletou amostras de sangue de 120 voluntários vacinados e não vacinados entre 28 e 52 anos de idade que haviam sido infectados antes ou depois de receber a vacina.

Os especialistas descobriram que as pessoas vacinadas têm dez vezes mais anticorpos do que aquelas que desenvolveram imunidade como resultado de uma infecção.

A combinação de anticorpos naturais e anticorpos induzidos por vacinas, conhecida como imunidade híbrida, surge como a barreira mais confiável contra a doença.

De acordo com os autores, é essencial manter a vigilância contra o vírus diante de sua "capacidade mutacional marcante" e após o forte aumento dos casos desde o surgimento da subvariante BA.5 da ômicron. EFE