EFEMoscou

O presidente da China, Xi Jinping, defendeu nesta terça-feira que seu país e a Rússia devem trabalhar juntos para fazer frente ao protecionismo, "ações econômicas hostis" e enfoques unilaterais, em uma clara referência às políticas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Em discurso no Fórum Econômico Oriental, na cidade de Vladivostok, onde se reuniu com o presidente russo, Vladimir Putin, Xi defendeu que a globalização econômica e uma política multipolar.

"Vemos ações unilaterais e ações econômicas hostis, mas a Rússia e a China são bons vizinhos e parceiros. Temos uma forte cooperação, temos um forte interesse histórico em manter e tornar mais fortes as nossas respectivas nações. Ambos os países entramos em uma nova era de cooperação e juntos poderemos neutralizar os desafios e riscos enfrentados", destacou.

Xi não fez menção direta aos Estados Unidos, mas suas palavras se referem às políticas de Trump e tensões comerciais entre as duas potências pela imposição mútua de sobretaxas à importação de produtos chineses e americanos, respectivamente. Após a assinatura de vários acordos entre Rússia e China, ele disse que teve conversas "muito produtivas" com Putin sobre várias questões bilaterais, comerciais e de investimento.

Neste sentido, ambos os países defenderam o uso das divisas nacionais para as transações, apesar dos contínuos riscos na economia global, de acordo com Putin.

"Rússia e Chinesa confirmaram interesse no uso mais ativo das moedas nacionais em transações bilaterais, o que aumentará a estabilidade dos serviços bancários em exportações e importações nas condições de risco atual nos mercados globais", afirmou.

O presidente russo disse que o comércio bilateral com a China aumentou em quase um terço e alcançou os US$ 50 bilhões na primeira metade do ano. Além disso, expressou expectativa de que no final de 2018 a troca de bens chegue a US$ 100 bilhões.

Xi também destacou o aumento de 28% do comércio chinês com a Rússia no primeiro semestre e enfatizou os maiores laços bilaterais nos quesitos transporte e aviação.

"Estamos aumentando nossa cooperação em outras esferas, como as finanças e a agricultura", afirmou.

Os dois países assinaram hoje uma série de acordos econômicos, como a concessão de 12 bilhões de iuanes (US$ 1,75 bilhão) do Banco de Desenvolvimento da China (BDC) ao Vnesheconombank (VEB), banco estatal russo de desenvolvimento e comércio exterior. De acordo com Xi, nos últimos três meses foram três reuniões com Putin.

"Teremos outras reuniões ao longo do ano para reforçar ainda mais nossos contatos", informou.

Para o presidente da China, que liderou uma grande delegação no Fórum Econômico Oriental, China e Rússia "entraram em uma nova era do desenvolvimento rápido".

Sobre a política externa, ele defendeu que a "cooperação entre os dois países é cada vez mais importante para manter a paz e a segurança no mundo", levando em conta que são membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).