EFEToronto (Canadá)

A possível integração da Ucrânia à União Europeia (UE) é uma grande motivação para a sociedade ucraniana e especialmente para o Exército, afirmou nesta quarta-feira o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em videoconferência com estudantes canadenses.

"Para a nossa sociedade e o nosso Exército, é uma grande motivação. Um grande fator de motivação para a unidade e vitória do povo ucraniano", disse o governante.

Zelensky, que respondeu em ao vivo às questões de estudantes de várias universidades canadenses, acrescentou que os próximos dois dias serão decisivos para a candidatura da Ucrânia à adesão à União Europeia (UE).

Esta intervenção do presidente ucraniano foi feita na véspera da reunião de chefes de Estado e de governo da UE, que na quinta-feira se encontrarão em Bruxelas para ratificar o estatuto da Ucrânia como país candidato.

O líder ucraniano, que durante a videoconferência de uma hora organizada pela Escola Munk de Assuntos Globais e Políticas Públicas da Universidade de Toronto, se permitiu brincar com os estudantes em vários pontos e disse estar convencido de que todos os países da União Europeia (UE) apoiarão a candidatura da Ucrânia.

"É um momento crucial para nós. Alguns membros da minha equipe o comparam a passar das trevas à luz", explicou.

Zelensky também repetiu que a Ucrânia precisa de mais armas, mais ajuda financeira e mais sanções do Ocidente contra a economia russa, a fim de repelir a invasão de Moscou.

Apesar da seriedade do discurso do presidente ucraniano, Zelensky não pôde deixar de rir de uma pergunta de um estudante que frisou que ele é comparado a personagens tão variados, como Winston Churchill e Harry Potter, e perguntou em quem se inspira neste momento.

"Harry Potter é melhor do que Voldemort. Todos sabemos quem é Voldemort e Harry Potter nesta guerra, por isso sabemos como ela vai acabar", brincou Zelensky, provocando risos da audiência, que incluía a vice-primeira-ministra canadense, Christia Freeland.

Zelensky respondeu à pergunta dizendo que é o povo ucraniano, dos camponeses às donas de casa, que o inspira a continuar a lutar. EFE