EFEHaia

A justiça holandesa se negou nesta terça-feira a iniciar um processo contra uma emissora que gravou um filme pornográfico na Igreja de St. Joseph, em Tilburg (sul da Holanda), porque considerou que "não há nenhum crime punível", apesar das denúncias formais apresentadas pelo conselho do sacerdócio da cidade.

"Consideramos que é prejudicial e desrespeitoso, mas revisamos o livro de leis e realmente não vemos um crime. A blasfêmia não é punível (na Holanda) e não há violação", confirmou a Promotoria.

No vídeo, dois atores têm relações sexuais em um beco atrás da igreja e no confessionário do santuário.

O diretor da igreja, Harrie de Swart, se mostrou surpreso pela decisão e lembrou que os atores e produtores tiveram que pular uma cerca para chegar ao confessionário, situado no interior do edifício.

A igreja ainda poderia iniciar um procedimento civil, mas em declarações à imprensa, De Swart aconselhou a diocese a desistir do caso porque "já houve comoção suficiente em relação a este assunto que não levou a nada".

Após o vídeo ser lançado no início do ano, o pastor da igreja, Khan van Noorwegen, pediu perdão "pela profanação da casa de Deus", se submeteu a uma penitência e benzeu o santuário com água benta.

A filme foi gravado pelo canal "Meiden van Holland", da estrela pornô holandesa Kim Holland.

A emissora já havia gerado polêmica ao gravar um filme em um parque de diversões, que não chegou a ir ao ar porque foi substituído justamente pelo vídeo produzido na Igreja de St. Joseph.